O Google pagou US$ 1 bi para incorporar o time de P&D da HTC. Também preparamos um vídeo sobre uma das maiores dúvidas das startups: LTV!

Oi,  ,

Tudo bom?

Existem muitas formas de fazer uma startup crescer de maneira mais rápida. Uma das mais populares ultimamente é o Growth Hacking.

Quanto lancei o curso Go’N’Grow em parceria com o MeuSucesso.com, um dos materiais disponibilizados no curso foi um e-book sobre o assunto escrito pelo nosso head de marketing aqui da ACE, o Felipe Collins.

Agora, o guia foi disponibilizado gratuitamente na área de Educação Empreendedora da ACE.

Te convido a baixar o Guia - além dele, você receberá uma planilha para controlar os testes feitos em sua empresa.

Quero virar um Growth Hacker

# O Google comprou um time

Nem todo mundo leva a sério quando a gente diz que o que uma empresa tem de mais valioso são as pessoas. Mas quer ver uma prova?

O Google pagou US$ 1,1 bilhão por uma divisão da HTC.  Com a aquisição, a empresa não levou nenhuma fábrica e nem mesmo o direito de exclusividade sobre qualquer patente da HTC.

O ativo que despertou o interesse do Google foi o time que trabalha na pesquisa e desenvolvimento desenvolvimento dos smartphones Pixel.

Levando em consideração que são cerca de 2 mil funcionários da HTC que vão passar a usar o crachá do Google, uma conta de padaria leva à conclusão de que cada um deles custou US$ 550 mil para Larry Page e Sergey Brin. Nada mal!

Compartilhe:
if_3_939757.png
if_twitter_317720.png
if_linkedin_1807540.png

 

 

# Quanto seu cliente te paga?

sulivan_com play.png

Ter um bom controle de métricas é fundamental para o crescimento de qualquer startup. Por isso, gosto muito quando nossa equipe produz conteúdos de qualidade sobre esse assunto. Essa semana publicamos um vídeo do acelerador Sulivan Santiago sobre Life Time Value, o LTV.

O Sulivan explica com mais detalhes no vídeo, mas em linhas gerais o LTV é quanto de dinheiro os clientes deixam para sua empresa ao longo do relacionamento entre vocês.

É um número que ajuda a definir muita coisa - e que tem que estar bem alinhado com o Custo de Aquisição de Clientes.

Bônus: No blog da nossa área de inovação corporativa, a autora da vez foi a Thays Vieira Bueno, nossa Key Account Manager. Ela conta de forma simples e direta alguns dos principais riscos corridos por grandes empresas que tentam inovar sozinha e traz também alguns caminhos que os executivos das corporações podem seguir para inovar de um jeito mais eficiente.

Compartilhe:
if_3_939757.png
if_twitter_317720.png
if_linkedin_1807540.png

 

 

# Sem Uber em Londres

Semana passada falei aqui sobre o texto do nosso mentor Pedro Somma sobre poder de mobilização.

Um dos cases citados no texto é o da Uber, que por onde passa precisa angariar apoio dos clientes para vencer a resistência de concorrentes e autoridades. Essa semana, a empresa sofreu um revés em Londres, onde perdeu licença para operar a partir do mês que vem. Vamos ver como motoristas e passageiros vão reagir.

Enquanto isso, no Brasil, a Uber se uniu a suas duas maiores concorrentes - Cabify e 99 - para fazer pressão contra um projeto de lei que tramita no Senado e pode dificultar a vida dessas empresas. Por enquanto a mobilização funcionou, e os senadores adiaram a votação.

Compartilhe:
if_3_939757.png
if_twitter_317720.png
if_linkedin_1807540.png

 

 

# Hardware de sucesso

Montar uma startup de hardware é um grande desafio. Mesmo empresas apontadas como as mais promissoras desse mercado às vezes se perdem em fatores como alto custos e erros estratégicos.

A CB Insights fez uma análise detalhada de algumas dessas histórias de fracasso para extrair as principais lições do que evitar.

A conclusão é de que há sim formas de conseguir bons resultados nessa área.

Se você empreende ou pretende empreender com hardware, o levantamento da CB é leitura obrigatória.

Compartilhe:
if_3_939757.png
if_twitter_317720.png
if_linkedin_1807540.png

 

# Objetivos firmes - mas não muito

Quão firmes precisam ser os objetivos de uma startups para que ela seja bem sucedida? Segundo esse estudo, pouco.

O resultado da pesquisa mostra que startups que não são tão firmes em seus planos, conseguem melhores resultados no longo prazo.

Pode parecer contraintuitivo - e é polêmico, com certeza. Mas a razão por trás disso é bastante simples: muitas vezes, bater o pé em um objetivo prejudica a adaptabilidade da empresa - e não tem startup que resista a isso.

Só não vale confundir isso com a ausência total de objetivos. Estar disposto a mudar não é a mesma coisa que mudar a todo instante.

Compartilhe:
if_3_939757.png
if_twitter_317720.png
if_linkedin_1807540.png

  

# Curtinhas

  • 9 semanas Outro dia pude bater um papo com o pessoal que participou da última turma do Le Wagon em São Paulo (apareço no vídeo a partir do minuto 50). Se você ainda não conhece esse projeto, dê uma olhada: é uma escola de programação que ensina em 9 semanas pessoas criativas (mas sem nenhuma ideia sobre códigos) a tirar uma ideia do papel. Ideal para quem gosta de fazer acontecer!

  • Atari O novo Atari (sim, isso existe!) começa a ganhar forma. E nada de um simples console retrô: o novo video game vai ter capacidade de processamento similar a de equipamentos como o Xbox One e o PS4.

  • Unicórnios hermanos Semana passada mostrei aqui um mapa com os unicórnios espalhados pelo mundo. Nenhum deles é brasileiro, mas quatro estão aqui pertinho, na Argentina. Essa reportagem mostra quem são essas empresas e como elas chegaram lá.
  • Anuncie aqui O Pinterest resolveu entrar para valer na briga por um naco da verba dos anunciantes na internet. A rede social lançou uma ferramenta que permite a escolha de mais de 5 mil novas palavras-chave na hora de criar um anúncio por lá.

  • Startups e varejo Como em vários outros setores, as startups têm muito a contribuir com o varejo. Tanto que o tema chegou a um dos eventos mais tradicionais do setor no Brasil, o 8º Fórum Internacional de Franquia, que acontece dias 3 e 4 de outubro. Uma das mesas, que vai falar sobre inovação no varejo, terá a presença de Thiago Brandão, CEO da Cuponeria, que foi acelerada pela ACE.

  • Disruptivos (mesmo?) Hoje em dia todo mundo se descreve como disruptivo. Esse artigo na Wired mostra como esse termo se tornou um clichê - e como não faz nenhum sentido alguém se declarar assim antes de ter feito qualquer coisa.
  • Iphone X Sou fã da série Silicon Valley (se você não assiste, comece agora!) e me diverti muito com a esquete que eles fizeram sobre o lançamento do Iphone X.

No começo dessa news comentei sobre o guia de Growth Hacking, né? Se você ainda não baixou vou te dar uma segunda chance para fazer isso agora.

Quero virar um Growth Hacker

Depois escreve me contando o que achou do livro, da news de hoje e dos textos e vídeos que sugeri. (E, claro, indique a Growthaholics para seus amigos!)

Indique para um amigo :)

Um abraço,
Pedro Waengertner
CEO - ACE
#GoACETwitter | Facebook | LinkedIn | Instagram

Share the love (and growth!):