Algumas das maiores startups do mundo tiveram uma baita ajudinha daqueles que mais importam: seus clientes!

Oi,  ,

Tudo bom?

Quero abrir a newsletter de hoje com um convite: 

Semana que vem, no dia 26, teremos Open Mic aqui na ACE em São Paulo. Se você quer apresentar sua ideia e receber um feedback do time da ACE, se inscreve lá. As vagas costumam acabar muito rápido. 

No dia 10 de outubro, vai ser a vez dos curitibanos participarem do Open Mic. As inscrições também já estão abertas.

# O poder da mobilização

Muitas startups criam modelos de negócio tão novos, que acabam gerando forte resistência entre parcelas da população e do poder público. Casos como Airbnb, Spotify e Uber são ótimos exemplos disso.

Um bom jeito de vencer toda essa resistência é conseguir mobilizar seus clientes em torno da defesa da visão que sua startup representa para o mercado. Em seu artigo de estreia no Blog da ACE, Pedro Somma, mentor de várias de nossas startups, fala sobre o poder da mobilização e os impactos que isso pode ter para uma startup.

O artigo do meu xará é o terceiro de uma série de posts dos mentores ACE no nosso blog. Nas últimas semanas, já publicamos textos sobre evolução tecnológica e a nova jornada do consumidor. Recomendo todos!

Compartilhe:
if_3_939757.png
if_twitter_317720.png
if_linkedin_1807540.png

 

# Não vale tudo

Falando em poder de mobilização, é preciso estar atento, pois nem sempre ela joga a favor da sua empresa.

Essa semana, Google e Facebook se viram em uma enrascada quando foi descoberto que suas ferramentas de anúncio permitiam segmentações que caiam como uma luva para quem desejasse promover ideias racistas.

As duas empresas prometeram mudar seus algoritmos e redobrar os cuidados para que esse tipo de coisa não volte a acontecer. Mas o dano de imagem já foi feito.

Compartilhe:
if_3_939757.png
if_twitter_317720.png
if_linkedin_1807540.png

 

# Spin-offs

 

Intraempreendedorismo_face.jpg

É possível empreender e criar uma startup a partir de grandes empresas? Sim! E os programas de intraempreendedorismo são uma grande ferramenta para isso. (Aqui na ACE temos ajudado grandes empresas a desenvolverem seus programas de intraempreendedorismo de forma mais eficiente.)

Nosso mais novo vídeo no Youtube, o COO da ACE, Arthur Garutti, explica como funciona esse tipo de programa e apresenta um case interessante sobre o assunto.

Aliás, você conhece o Energy Start?

Bônus: já viu os vídeos que indiquei nas últimas edições da Growthaholics? Tem um em que falo sobre nosso deal com a Bossa Nova e outro em que nosso gestor de portfólio, Guilherme Lima, explica como funciona um contrato de mútuo conversível. Assiste lá e depois me conta o que tem achado dessa nova série de vídeos da ACE.

Compartilhe:
if_3_939757.png
if_twitter_317720.png
if_linkedin_1807540.png

 

# Cutting some Slack

O Slack é a ferramenta de comunicação queridinha das startups e vem ganhando cada vez mais espaço no mercado corporativo como um todo.

O serviço já tem mais de 6 milhões de usuários ativos diariamente e tem anunciado uma série de melhorias para aumentar esse número - como a possibilidade de incluir gente de outras empresas em alguns grupos do seu time.

Essa semana, a empresa recebeu um investimento de US$ 250 milhões do Softbank (o maior fundo de venture capital do mundo). Com isso, chegou a um valuation de US$ 5 bilhões. Dá-lhe grana!

Nada demais para a empresa que se tornou um unicórnio mais rapidamente na história do Vale do Silício.

Compartilhe:
if_3_939757.png
if_twitter_317720.png
if_linkedin_1807540.png

 

 

# Quem são e onde vivem os unicórnios

 

A CB Insights resolveu investigar quem são e onde vivem os unicórnios que não nasceram no Vale do Silício. São 106 empresas que compõem esse grupo seleto. Como você já deve imaginar (ou não), a maioria deles está na China.

Um dado muito interessante é que tem diminuído a participação dos Estados Unidos no total de empresas bilionárias. Em 2013, 70% dos unicórnios vinham de lá. No ano passado, o número caiu para 42%.

Analisar essa lista é muito interessante, para entender o que vem dando certo por ai e também para não ficar com aquela sensação de que é impossível empreender fora do Vale. O “clube” tem representantes de todos os continentes.

Por enquanto, ainda não tem nenhuma startup brasileira lá, mas acredito que vamos conseguir mudar isso logo logo. Já tenho as minhas apostas, mas não vou contar!

Compartilhe:
if_3_939757.png
if_twitter_317720.png
if_linkedin_1807540.png

  

# Curtinhas

  • 50 em 100 A Forbes fez um levantamento interessante: as empresas que passaram pela lista das 50 maiores dos Estados Unidos nos últimos 100 anos. É impressionante ver como quem é apontado como inabalável numa época, muito raramente sobrevive à próxima onda. Da lista original, apenas AT&T e GE estão aí até hoje.

  • Mudando (de novo) O Medium, plataforma criada pelo fundador do Blogger e do Twitter, Ev Williams, vai pivotar seu modelo de negócios de novo. Ele já tentou vender anúncios e assinaturas, mas nunca teve o resultado esperado. Agora, a aposta é fazer uma curadoria mais detalhada dos textos - e tentar monetizar com base nisso. Será que agora o din-din vem? 

  • Cama e mesa Depois de se consolidar como a principal plataforma para reserva de quartos, o Airbnb começa uma investida sobre uma nova área no setor de turismo: agora é possível também reservar restaurantes pelo aplicativo

  • De quem é a culpa? A Toys’R’Us, uma das varejistas de brinquedos mais tradicionais do mundo, entrou essa semana com pedido de recuperação judicial. Muita gente apontou isso como mais um sinal de que o varejo online vai matar as lojas físicas. Em um artigo da Harvard Business Review, Greg Satell explica por que acredita que a culpa é muito mais da Toy’R’Us do que da Amazon. Concordo bastante! 

  • Pague após o bipe O Google lançou um novo aplicativo para pagamentos na Índia. A tecnologia por trás do novo sistema vem sendo descrita como um QR Code sonoro. O sistema usa ondas ultrassonoras (inaudíveis por seres humanos) e é uma forma de compensar a baixa adesão ao NFC no mercado indiano.

  • Para a molecada Aqui vai a dica para quem tem criança em casa: a Piper levantou US$ 7,6 milhões para expandir a venda de seus kits que permitem aos pequenos montarem os próprios computadores.

Por essa semana é só. Quero encerrar desejando Shaná Tová a todos os meus leitores judeus e com aqueles pedidos de sempre: depois me escreve contando o que você achou desta edição e indique a Growthaholics para todos os seus amigos!

Indique para um amigo :)

Um abraço,
Pedro Waengertner
CEO - ACE
#GoACETwitter | Facebook | LinkedIn | Instagram

Not rendering correctly? View this email as a web page here.
Share the love (and growth!):