Quais são os maiores erros que uma empresa SaaS comete? Trazemos também o domínio do Netflix entre quem abandonou a TV a cabo e muito mais.

Oi,  ,

Tudo bom?

Estamos em pleno processo de seleção para as startups que vão compor a nossa última turma de aceleração do ano.

Já nos deparamos com muita coisa boa por ai, então se você não se inscreveu ainda, faça isso agora (ou assim que acabar de ler a news!).

Se você já está inscrito, então pode ler com calma os conteúdos que separei para você essa semana.

68 maiores erros

O pessoal da CB Insights preparou uma lista com os 68 maiores erros que uma empresa com este modelo de negócio costuma cometer.

Na verdade, vários parte dos erros apontados não são exclusividade de quem trabalha com SaaS, como acreditar em seu próprio hype e contratar sob pressão. Mas boa parte dos slides são dicas importantíssimas para os SaaS, como os cuidados a ter com a equipe de vendas e perfil dos clientes, por exemplo.

Plus: Há algumas semanas publicamos um artigo em nosso blog sobre uma métrica específica para negócios SaaS. É o SaaS Quick Ratio, que ajuda a medir o quanto o crescimento do negócio está saudável. Você já conhece e aplica essa métrica?

# Qual é o job?

Nos últimos tempos a equipe da ACE anda dedicada a escrever para o nosso blog. Temos tido vários artigos do nosso time por lá, sempre com conhecimento técnico de quem respira startup 24 horas por dia. Essa semana, a contribuição foi do Victor Navarrete, nosso head de aceleração em Goiânia. O Victor preparou um artigo cheio de exemplos práticos sobre o que é o job to be done.

É a sua chance de entender esse conceito de vez e pensar bem no job to be done do seu negócio!

Ele mostra, por exemplo, que produtos teoricamente iguais podem ter jobs muito diferentes (é só pensar em por que você toma café de manhã cedo e por que toma o mesmo café durante um papo de negócios) e que produtos muito diferentes podem ter o mesmo job (na hora em que você vai comprar um presente, você pode escolher entre várias opções).

Plus: Nessa semana, também falamos no blog sobre outro conceito importantíssimo, o product/market fit. Além disso, o pessoal da Conpass (startup que foi acelerada aqui pela casa) preparou um texto muito bacana sobre a importância de se atentar à experiência do usuário. Recomendo! 

# Cortando a corda

 

Cancelar a TV a cabo e se contentar com os serviços de streaming é uma coisa que já ficou tão comum nos Estados Unidos que eles até já deram um nome para quem faz isso. São os “cord cutters”. Eu sou um deles! Cortei a TV a cabo há mais de dois anos e minha vida só melhorou!

Para você ter uma ideia de como isso está consolidado por lá, já existem sites dedicados exclusivamente a esse público, como o Cord Cutter News e o The Cord Cutting Report.

Agora, uma pesquisa da comScore mostrou que a Netflix é, de longe, quem mais recebe atenção deste pessoal. Além de ser o serviço mais assinado pelos cord cutters, o streaming de Reed Hastings é assistido por mais tempo do que todos os seus concorrentes somados. Ter esse domínio sobre um mercado não é pouca coisa, viu?

# The Brief

brief.png

Aqui na ACE nós ficamos muito felizes sempre que tem novidade no ecossistema empreendedor. Essa semana, o motivo de comemoração foi a estreia do The Brief, um site sobre negócios e tecnologia que tem por missão trazer as principais notícias sempre de um jeito leve, útil e moderno.

Pelo que temos visto nesses primeiros dias de operação, a missão vem sendo bem cumprida!

Além do site, eles também têm uma newsletter diária, com tudo o que você precisa saber para começar o dia.

E temos o prazer de dividir espaço com essa galera fera! A equipe da NZN (empresa que comanda o The Brief) começou a trabalhar esta semana aqui no ACE Campus, que ganhou mais um andar lindíssimo (olha as fotos lá no nosso Instagram!) para que a gente possa receber cada vez mais gente aqui na nossa casa.

Ao vivo

Terça que vem é dia de ACE Live! E essa semana vamos estrear em um novo horário. Vai ser terça, às 13 horas.

A convidada da vez vai ser a Carol Rocha, CEO e fundadora da Pet Anjo. O assunto vai ser jornada empreendedora - os altos e baixos da vida de quem resolve ter uma startup e como se preparar para os desafios diários que surgem.

Quem assistir ao vivo (no nosso site ou no Facebook) vai poder participar mandando perguntas e contando um pouco das suas próprias experiências.

Se você estiver ansioso, já pode mandar sua pergunta ou sugestão para o Live agora mesmo para o Gabriel, o responsável pela área de conteúdo aqui da ACE.

Para não esquecer, coloca o Live na agenda, viu?

# O fim do dinamismo?

Se tem um povo que sempre gostou de se vender como dinâmico, é o americano. Mas um estudo feito pela organização Economic Innovation Group (EIG) mostrou que as coisas podem estar mudando.

Segundo o levantamento, nos últimos anos os Estados Unidos têm visto mais empresas fecharem do que serem abertas.

A isso se somam outros fatores como menos disposição de se mudar para outras regiões ou até trocar de emprego.

A pesquisa mostra que ainda há algumas regiões em que o dinamismo impera (como Nova York e Los Angeles, por exemplo), mas elas estão longe de representar o “americano médio”.

A pergunta que fica é: como essa mudança de comportamento vai afetar a economia americana - e a de todo o mundo, por consequência?

# Curtinhas

  • Brasileiras no Vale: Duas brasileiras têm chamado atenção no Vale do Silício por serem as únicas mulheres latinas a comandarem um fundo de Venture Capital (o Babel Ventures). Uma pesquisa mostrou recentemente que 89% dos líderes de VC são homens e apenas 1% se identifica como latino.

  • Talentos longe: Por que os bons executivos não duram nas grandes empresas de tecnologia? Essa é a questão que o professor e escritor Steve Blank tenta responder neste artigo.

  • Coisa séria: Se tem uma coisa que prezamos aqui na ACE é pela diversão - esse é, inclusive, um dos valores do nosso ACE Code. E segundo Joel Stein, colunista de humor da revista TIME e ex-professor de Stanford, estamos no caminho certo.

  • Sonzeira: O mercado de guitarra não vive seus melhores dias. Mas a indústria do setor tem se mexido em busca de uma salvação. A aposta da vez são aplicativos, como o feito pela Fender, que ensinam a tocar o instrumento - e diminuem a taxa de abandono dos iniciantes.
  • E a marca?: Essa semana entrou no ar a Brandless, uma loja online que só vende produtos sem marca. Ao invés de investir na criação de nomes, logos e identidades próprias para cada produto, eles simplesmente colocam na embalagem o que estão vendendo (sabonete de erva-doce ou café forte, por exemplo). Antes mesmo de entrar no ar, a emperesa levantou US$ 50 milhões em investimentos, com a promessa de ser a P&G dos millennials.

  • Uber do lixo: Uma startup americana que se posiciona como o Uber do lixo e da reciclagem, a Recycle Track Systems, acabou de levantar US$ 11,7 milhões em uma rodada série A.

  • Encurtado: Falando em investimento, o Bitly, aquele site que encurta links, acabou de ter seu controle vendido para o fundo Spectrum por US$ 63 milhões. Outras empresas que têm investimento do Spectrum são a plataforma de apresentações Prezi e o site de pesquisas SurveyMonkey.

  • Velocidade móvel: O Google criou um sistema para você testar a velocidade de carregamento do seu site em dispositivos móveis - e quantos visitantes você pode perder por conta disso. Depois da análise, os caras te enviam um relatório sobre o você deve fazer para melhorar o desempenho.

  • Repórter robô: Falando em Google, a empresa investiu US$ 800 mil em uma startup que está criando um sistema capaz de escrever notícias sem o auxílio de robôs. Como o Clark Kent vai se disfarçar agora?

E aí? O que você achou da news dessa semana? Me escreva contando (eu leio e respondo emails, viu?).

Se você gostou, lembre de indicar a Growthaholics para algum amigo. Se não gostou, indica para algum inimigo.

Indique para um amigo :)

Um abraço,

Pedro Waengertner
CEO - ACE
#GoACETwitter | Facebook | LinkedIn | Instagram

Not rendering correctly? View this email as a web page here.
Share the love (and growth!):