O que atrai investidores, a motivação dos cancelamentos da Netflix e as últimas dúvidas respondidas pelo time da ACE no nosso blog

Oi  ,

Tudo bom?

A newsletter de hoje está recheada! Então aproveite o feriadão (como se empreendedor tivesse feriado!) lendo os conteúdos que separei essa semana.

Tem dicas sobre MVP e SaaS, além das últimas notícias de gente gigante como Uber e Netflix - e de gente que ainda não é gigante, como um pessoal que acabou de levantar US$ 10 milhões pra fazer o Instagram dos médicos.

Ficou curioso? Então vem comigo!

# O fim da cauda longa

Este ano, a Netflix resolveu investir US$ 6 bilhões em produções próprias. O cardápio vai desde blockbusters, como House of Cards, até produções de nicho, como Dear White People.

Não é novidade que toda escolha em torno das produções é feita com base em algorítmos, o que aumenta muito a taxa de sucesso das produções.

Mas mesmo assim a empresa pegou um monte de gente de surpresa ao anunciar o cancelamento de duas séries: Sense 8 e The Get Down.

Em linhas gerais, a justificativa é que as series custavam muito caro para atingir um nicho muito pequeno. Ou seja: o Netflix chegou à conclusão de que a cauda estava longa demais e resolveu encurtar um pouco.

Na visão da Wired, a decisão mostra que a Netflix atingiu seu principal objetivo: conseguiu virar uma HBO antes que a HBO conseguisse virar uma Netflix.

Bônus: Pela primeira vez, a Netflix tem mais assinantes do que TV a cabo nos Estados Unidos. 

# Conteúdo de peso

Não importa qual o estágio da sua startup, dúvidas surgem o tempo todo. É pensando nisso que nossa equipe está sempre dedicada a produzir conteúdos que esclareçam questões importantes.

Essa semana, preparamos dois conteúdos bem especiais lá no Blog da ACE.

Um deles é o artigo sobre MVP, o mínimo produto viável. É bem provável que você já saiba o significado disso, mas será que você está fazendo direito? Além de dar um monte de dicas valiosas, o post tem um grande case de MVP: a história do Dropbox.

Outro artigo muito bom foi preparado pelo nosso Head de Aceleração em Goiânia, Victor Navarrete. No texto, o Victor explica uma métrica que não pode sair da vista de quem tem o SaaS como modelo de negócio. É o SaaS Quick Ratio, que ajuda a entender se o crescimento da startup está sustentável.

# FarmaGoogle

Acho que nem o Larry Page é capaz de listar todas as áreas em que o Google tem investido. De carros autônomos a balões com wi-fi, o portfólio dos caras é cada vez mais amplo.

Já não é hoje que farma está nesse leque de investimentos. Mas o que surpreendeu os analistas da CB Insights é o quanto o apetite dos caras tem crescido nessa área.

Entre 2009 e 2014, o Google investiu em 7 empresas do setor. Entre 2015 e 2017, o número cresceu pra 17. Só esse ano já foram 6 negócios fechados. Os investimentos vão de soluções antibacterianas a tratamentos para distúrbios neurocomportamentais.

O Google dobrar a aposta na área só reforça uma certeza: temas como saúde e bem-estar vão estar cada vez mais na pauta - e quem inovar nessa área, vai sair ganhando.

Legendary

Qual o segredo de quem consegue seduzir os grandes fundos de investimento? Esse é o tema da conversa entre Jess Lee, sócia do Sequoia, um dos maiores fundos de VC do mundo, e Ali Rowghan, fundador da YCombinator (e ex-COO do Twitter).

A maior parte da conversa gira em torno de empresas em estágios mais iniciais e quais são os caminhos para descolar as primeiras rodadas de investimento.

Segundo Jess, o que os casos de sucesso têm em comum é o fato de terem "um fundador audacioso em busca de construir uma empresa legendária"

# Tchau

O CEO da Uber, Travis Kalanick, resolveu se afastar do comando da companhia por tempo indeterminado.

Oficialmente, a licença tem a ver com o luto pela morte de sua mãe em um acidente. Mas a série de polêmicas em que ele e a empresa se envolveram nos últimos tempos pesou muito na decisão.

O movimento tem sido visto como a melhor chance para a Uber renovar sua cultura de gestão.

Antes mesmo da decisão, o conselho já discutia nomes de sucessores. A tarefa é considerada ingrata - e quase ninguém dentro da empresa é visto como apto para ocupar o cargo.

A lição que fica de toda essa história é: muito cuidado com a cultura que você cria para sua empresa. Afinal, a última vítima da cultura de bad boy criada por Kalanick na Uber foi ele próprio.

# Curtinhas

  • Mausoléu: Como aquela startup que estava bombando até pouco atrás morreu? De tempos em tempos o pessoal da CB Insights prepara o obituário de algumas empresas que não emplaram. A última atualização acabou de sair.

  • Mausoléu 2: Walt Mossberg, um dos maiores colunistas de tecnolgia dos Estados Unidos, construiu um verdadeiro museu de gadgets ao longo da carreira. Em uma série de vídeos para The Verge, ele mostra alguns dos itens. Bateu saudades de alguns!

  • Ao vivo: Guarde na agenda: na terça-feira, dia 20, às 19 horas, vamos fazer mais uma edição do ACE Live. O tema da vez são as novas startups da casa. Se você quer tirar dúvidas sobre como é o nosso processo de aceleração, fique de olho.

  • Wired Festival: Nós te chamamos várias vezes, mas se você não conseguiu ir ao Wired Festival dá uma olhada no resumão que preparamos do que rolou por lá.

  • Instagram dos médicos: Figure 1, uma startup que reúne fotos de casos médicos para ajudar no diagnóstico, acabou de levantar US$ 10 milhões em uma rodada de investimentos.
  • Chapeiro robô: Falando em investimentos, a Momentum Machines acabou de conseguir US$ 20 milhões para avançar em seu plano de criar um robô que substitua os fritadores de hamburguer nas lanchonetes. Coitado do Bob Esponja!

É isso aí, pessoal! Aproveitem o feriadão para me escrever o que acharam dessa edição da newsletter.

Um abraço,

Pedro Waengertner
CEO - ACE
#GoACETwitter | Facebook | LinkedIn | Instagram

Not rendering correctly? View this email as a web page here.
Share the love (and growth!):